QUEM É OBRIGADO A DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA?

Quando se trata de imposto de renda, muita gente ainda peca pela falta de informação. Você sabe o que é imposto de renda? Este é um valor anual que vai depender da situação financeira e de movimentação econômica de cada um. Se você quer entender um pouco mais sobe o assunto e descobrir quem é obrigado a declarar o IR, leia as informações a seguir.

O que é o imposto de renda?

O imposto de renda é uma taxa cobrada pelo Governo Federal que corresponde ao valor anual da remuneração do trabalhador ou da empresa. O imposto pago pelo trabalhador é chamado de DIRPF (Declaração de Ajuste Anual). No caso do trabalhador, para calcular o imposto de renda deve-se considerar o valor salário liquido 2019.

Se no ano requerente houver aumento do salário mínimo, o valor também deve ser corretamente considerado na hora de declarar o IR, por isso é preciso estar atento as informações de cada ano. O órgão responsável pelo recolhimento do imposto no nosso pais é a Receita Federal e a plataforma da instituição oferece todas as informações.

Quem é obrigado a declarar o IR?

De acordo com a Receita Federal, deve declarar o imposto de renda quem:

  • Tiver recebido no ano anterior remunerações tributárias acima de R$ 28.559,70. Essas remunerações incluem por exemplo: pensões, trabalho, aluguel de imóveis, entre outros.
  • For possuidor, até o dia 31 de dezembro do ano anterior, de veículos, propriedades ou bens no valor acima de R$300 mil.
  • Tiver obtido renda através da venda de veículos, imóveis ou categorias semelhantes que estiverem sujeitas a cobrança do IR.
  • Tiver alcançado renda bruta rural acima de R$ 142.798,50 mil.
  • Tiver recebido mais de R$ 40 mil em rendimentos isentos, como no caso do FGTS, por exemplo.
  • Tiver realizado operações em bolsas de valores
  • Se tornar residente do Brasil até o dia 31 de dezembro do ano anterior.

Ainda com dúvidas? Informe-se diretamente com a Receita Federal pela plataforma online ou pelo telefone de atendimento.

O que acontece se eu não declarar?

Quem não apresenta a declaração do imposto de renda no prazo estabelecido, deve saber que estará sujeito a cobrança de uma multa no valor mínimo de R$165,74 pagos a Receita Federal. A multa é de 1% ao mês sob o valor do imposto em questão.

Se entregar os documentos após o prazo, você receberá a notificação da cobrança de multa. Após o lançamento do valor, você terá 30 dias para efetuar o pagamento, do contrário novas taxas podem ser cobradas. Não fique a disposição de valores extras! Organize sua documentação para declarar seu IR anual e entregar tudo dentro do prazo. Dispense as multas!

Não Passou no SISU? Veja o que fazer!

O SISU é o Sistema de Seleção Unificada pelo qual o Ministério da Educação (MEC) distribui vagas para cursos de universidades públicas. Para concorrer a uma vaga pelo SISU, você deve ter realizado o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Se após a realização do exame e divulgação da nota, a sua pontuação venha a não ser suficiente para garantir a sua vaga no curso de sua escolha, não se desespere!

SISU no meio do ano

Muitos estudantes que se inscrevem no SISU não sabem que as inscrições do sistema abrem duas vezes por ano a cada 6 meses. Caso a sua nota não tenha garantido o ingresso em uma universidade pública, você ainda pode tentar novamente com a mesma nota uma vaga para a segunda metade do ano. Em contrapartida, terão menos ofertas de vagas.

Lembrando que para concorrer as chances do segundo semestre do SISU, você não pode ter tirado zero na redação e deve ter feito o ENEM no ano em questão. O processo de inscrição é igual ao do começo do ano:

  • Acesse o site oficial do SISU
  • Forneça seus dados pessoais
  • Escolha a primeira e segunda opção de curso, considerando que o sistema dará prioridade a primeira opção
  • Escolha a sua modalidade e aguarde

Educa Mais Brasil

O Educa mais brasil é um programa de inciativa privada que oferece bolsas de estudo parciais em instituições privadas. Se você não pode arcar integralmente com as mensalidades do seu curso, esta é uma boa oportunidade para você.

Mais de 18 mil instituições do ensino privado tem vínculo com o programa. Por anos, estudantes de todo Brasil tem conseguido bolsas de até 70% de desconto e realizado e sonho do ensino superior. As inscrições são gratuitas e você pode fazê-la no site do Educa Mais Brasil.

Quando acessar o site, você deve escolher sua modalidade de ensino, por exemplo: graduação, cursos técnicos,idiotas, EAD, entre outros. Logo em seguida, escolha a sua região para ter acesso as bolsas ofertadas. Depois, você deve observar as oportunidades, os descontos oferecidos e os valores.

No site, você poderá escolher a opção mais viável para você. Lembre-se que para garantir a sua bolsa, você não pode estar matriculado no mesmo curso que está escolhendo no site. Forneça seus dados pessoais corretamente na hora de se cadastrar na plataforma e não perca tempo. Garanta já a sua vaga através do Educa Mais Brasil.

Quais os tipos de cotas no SISU?

Sisu é a sigla para Sistema Unificado, sistema utilizado pelo Ministério da Educação para ocupar as vagas nas universidades públicas brasileiras. A informatização  atuar de forma nacional em seu processo seletivo substituindo o vestibular. E como a seleção anterior ao sistema de cotas. Saiba mais a seguir.

Entendendo o Sisu em detalhes

O Sistema Unificado é a forma como as universidades públicas selecionam seus alunos. Vem para substituir o antigo vestibular e a prova escrita com excelente taxa de aprovação entre os estudantes. 

O site do Sistema Unificado faz parte do programa do Ministério da Educação para organizar a seleção de vagas para as universidades públicas brasileiras. O estudante deve se inscrever apenas através da página se deseja entrar em uma graduação em um período pré determinado pela instituição. 

A inscrição no Sisu é gratuita e permitida a todos que tenham um ensino médio concluído. Basta entrar no sistema digital e preencher os dados do formulário virtual com o número documentação. A nota do Enem é usada como avaliador e encaixe nas vagas em aberto nos cursos.

A próxima etapa é escolher o curso como primeira opção e uma alternativa caso não tenha nota para entrar na primeira. Haverá uma seleção e o resultado é divulgado no próprio site informando se o aluno conseguiu se encaixar na vaga.

Não conseguiu entrar na primeira seletiva? Vale aguardar um pouco. Haverá uma segunda votação no remanejamento para quem não ocupou as vagas em primeira instância ou não obedecer aos critérios básicos para realizar a matrícula.

Quem tem direito a se inscrever no Sisu?

Podem se inscrever no Sisu para tentar uma vaga em uma graduação todos os concluintes do ensino médio. Isso vale tanto para os que concluíram recentemente como há muitos anos atrás.

Os estudantes do sistema de educação para jovens e adultos também podem se inscrever para tentar uma vaga na Rede Pública de ensino superior mesmo que tenham finalizado os estudos muito tardiamente. É solicitado apenas que todos os alunos tenham de fato finalizar os estudos do ensino médio e tenho os documentos referentes a esse para comprovar no ato de matrícula.

Com o sistema de integração e eliminação do vestibular a inscrição no Sisu passa a ser a única forma do aluno entrar em uma universidade pública. Todas usam a resultado enem 2019 e eliminaram os seus processos de seleções próprios.

Como funcionam as cotas no Sisu

O sistema de cotas continua em vigor em concursos públicos e universidades da rede pública de ensino. No sistema do Sisu também vigora a separação de alguma vagas de acordo com critérios pré estabelecidos.

Os alunos da rede pública de ensino contam com notas reservadas de acordo com  Lei nº 12.711/2012, conhecida também como Lei das Cotas. Nesta reserva um percentual pré determinado e informado no edital é separado para que concorram apenas alunos concluintes do ensino médio de escolas públicas ou da rede privada de ensino que tenha sido bolsista integral.

Há ainda vagas reservadas para negros, pardos e indígenas de acordo com os direitos dos grupos de risco. Concursos públicos agem da mesma forma e usam os mesmos critérios.

 

Quando ter uma bicicleta é mais vantajoso que ter um carro?

Há quem diga que a bicicleta é o veículo do futuro. Sem uso de combustível, ela se desloca da forma barata e não congestiona o trânsito. Muitos países já a adotam como principal forma de condução e pode ser uma boa pedida para os centros urbanos brasileiros. Analise com cautela se vale a pena ter uma bicicleta que ter um carro a seguir. 

Bicicleta: um meio de transporte limpo

Muitos países em busca de melhorar os hábitos dos cidadãos adotaram a onda verde no transporte. Isso quer dizer incentivar o uso de meios de transporte sem poluentes e com combustíveis naturais. Há algo mais natural que uma bicicleta? Movida com força mecânica, seus pés fazem você ir até onde quiser (e aguentar). 

A lista de elogios para uma bike como meio de transporte é gigante. Um dos pontos a serem levados em consideração é o excelente exercício físico proporcionado pelo maquinário. Ele é simples de ser usado e movimenta diversos músculos, deixando pernas e core mais fortes. 

Bicicleta é um meio de transporte com vantagens significantes. Uma delas é ser fácil de estacionar. Até shoppings já possuem bicicletário pensando neste público moderno.

Não envolve gastos de combustível para deslocamento também. Para quem vai percorrer curtas distâncias é um ótimo meio de locomoção. As empresas até andam incentivando porque os funcionários são mais pontuais não ficando engarrafados nas grandes vias. Em São Paulo pode ser uma ótima opção.

Vantagens e desvantagens de ser dono de carro

Quem nunca teve um carro na garagem não deve mensurar com realidade os custos do meio de transporte mais querido do mundo. É confortável andar de carro sim, mas a lista de contas a pagar todos os anos (além do combustível que é diário) é imensa. O Pagamento IPVA RS e de outros estados brasileiros é apenas um dele. 

Nos centros urbanos (em especial nas grandes capitais) não conte apenas com os gastos com combustível para deslocamento. O estacionamento também deve ser incluído no passeio e nos shoppings não é dos mais baratos. Há zonas com diferentes taxas nas capitais a serem pagas em cada intervalo de tempo que vai de uma a duas horas.

Bicicleta é mais barato? Sim, sem sombra de dúvidas. Mas os riscos de segurança valem para os dois meios de transporte. Arrombamentos de carro são constantes e roubos de bicicleta também. A manutenção de uma bike, contudo, é bem mais em conta. Uma simples peça de um carro ou uma leve batida pode custar mais de R$ 500. Não é barato ter carro no Brasil, infelizmente.

Vale a pena trocar bicicleta por carro?

Nem tudo é só vantagem e sempre há o lado negativo de um meio de transporte. Cidades com períodos chuvosos intensos (infelizmente a maior parte do país) podem deixar as ruas alagadas e bike não vai dar conta do recado. Muito pelo contrário. Ela oferece um maior risco de cair em buracos. 

O valor baixo da bicicleta compensa pensar nele como um meio de transporte mesmo que seja por alguns dias. Mesmo não usando com frequência é um meio de transporte barato e um ótimo esporte para praticar.

FONTE

Quem não é obrigado a votar nas eleições?

As eleições diretas estão presentes em todos os países com democracia como regime político. Todos devem se dirigir às urnas no dia das eleições para exercer o seu poder político de voto. Faz parte da democracia. Mas nem todo mundo precisa votar. Saiba mais a seguir.

Sistema das eleições brasileiras

As eleições no Brasil são do tipo direta. O eleitor vota especificamente em qual candidato deseja ocupar o cargo público.

 

Ela acontece em duas fases a cada dois anos. Em um ano votamos para presidente e vice presidente, senador, governador, deputado federal e estadual. Já em outro processo votamos para prefeito e vereador.

 

O sistema usado no Brasil é de urna eletrônica, considerado um dos mais seguros do mundo e eleito um dos mais avançados. Junto ao sistema eletrônico contamos agora com a confirmação via biometria. O  eleitor votará nas Eleições 2018 confirmando sua presença por meio de digital pré cadastrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Quem é obrigado a votar?

Aos 16 anos o brasileiro (seja homem ou mulher) pode retirar o seu título de eleitor. A obrigatoriedade, contudo, surge apenas acima dos 18 anos. Entre 18 e 69 anos todos os brasileiros são obrigados a comparecer às urnas a cada dois anos e escolher um representante em nível estadual ou federal. 

Os brasileiros no exterior que continuam com a sua cidadania brasileira devem

 votar. Se possuem endereço fixo no Brasil e estão apenas em viagem temporária devem votar para todos os candidatos, de prefeito à presidente. Se o seu novo endereço é em outro país mas ainda mantém a cidadania o voto obrigatório é apenas para eleger presidente e vice presidente.

Quem não estiver na sua zona eleitoral no dia da votação pode justificar seu voto. A justificativa pode ser feita se dirigindo a qualquer ponto de votação com um documento de identificação com foto e o seu título de eleitor. Deve preencher um pequeno formulário e obterá na hora o seu comprovante de justificativa. Estará em dia com seus compromissos eleitorais. 

Já quem não pode nem ao menos justificar em outra zona eleitoral por motivos diversos deve procurar a unidade do TRE de sua cidade para regularizar a sua situação. Deve pagar a multa por não ter comparecido e assinar os documentos correspondentes à sua falta.

Quem não é obrigado a votar?

Os jovens acima de 16 anos podem obter o título de eleitor mas não são obrigados a votar. Dos 16 aos 17 anos e 11 meses a obrigatoriedade não existe. O voto é do tipo facultativo. 

Os maiores de 70 anos também não são obrigados a votar. Neste caso também estamos falando de um voto facultativo porque eles podem comparecer na urna caso assim desejem. 

Os portadores de algum tipo de deficiência são obrigados a votar desde que não declarem estarem impossibilitados de se dirigir a um ponto de votação. Caso o seu tipo de deficiência não permita o deslocamento pode ser apresentado em qualquer zona eleitoral um documento comprovando a situação por meio de um procurador legal e o voto será justificado.

7 direitos e benefícios que valem para quem tem carteira assinada

Ter carteira assinada significa contrato firmado com uma empresa para prestação serviço. No documento consta a data de entrada, a função desempenhada e isso é de grande valia para o trabalhador.  É responsável por garantir alguns direitos os quais não se deve abrir mão.

calendario-do-pis

Direitos e benefícios para quem possui carteira assinada

Com a carteira assinada o trabalhador conta com a proteção das consolidações das leis de trabalho, a nomeada CLT. Nela estão listados alguns direitos funcionário com vínculo empregatício fixo. São eles:

Um salário-mínimo mensal – Todos os meses o trabalhador deve receber uma remuneração em dinheiro. O valor pago não pode ser inferior ao salário mínimo vigente,  estipulado pelo Governo Federal para suprir as necessidades mínimas de alimentação e saúde de todo trabalhador brasileiro.

Vale transporte –  nenhum trabalhador deve arcar com os custos para se deslocar até o trabalho. Ele deve receber o valor de suas passagens ou auxílio combustível, o que for melhor para ambas as partes.

Ao contrário do que muitos imaginam o vale alimentação e o plano de saúde são opcionais.  Caso a empresa resolva pagar os dois ela pode fazer um desconto no salário mas o empregado precisa concordar com isso.

Vale refeição –  para uma jornada superior há 5 horas diárias é preciso pagar os custos da refeição do funcionário. Ele pode receber o vale-refeição e mesmo assim levar o seu almoço ou janta de casa, mas o valor deve ser pago pela empresa todos os meses.

Pagamento do PIS – O empregador deve depositar na conta do Programa de Integração Social (PIS) um valor mensal como ajuda de custo para quando ele sair da empresa. O Pagamento PIS 2018 é realizado de acordo com o Calendário do PIS mas apenas se o funcionário perdeu o seu vínculo empregatício ou se aposentar. O PIS é acumulativo e com a atualização e rendimentos.

Descanso semanal –  a cada 6 dias de trabalho deve ser de folga.  Nem sempre essa folga deve cair no fim de semana mas a cada 6 dias corridos a empresa deve determinar um dia para o funcionário não trabalhar.

Férias remuneradas – A cada 11 meses trabalhados o intervalo de 30 dias deve ser dado para descanso do trabalhador como ele quiser. Esse período de férias corresponde a um salário e pode ser negociado com a empresa.

Patrão e empregado pode negociar qual o melhor mês para ausência do trabalho. Ele também pode optar por não folgar os 30 dias. Neste caso poderá vender até 20 dias de suas férias e aumentaram um pouco a sua renda. É um costume muito comum.

As férias podem ser atrasadas por até 22 meses. Não se pode acumular duas férias seguidas de um empregado ele está sujeito à multa do Ministério do Trabalho.

13º salário –  além do salário mensal pago obrigatoriamente a empresa deve pagar o décimo terceiro salário. Ele pode ser pago em dezembro de forma integral ou em parcelas em até 3 vezes.

Algumas empresas pagam o décimo quarto salário. Neste caso é opção do empregador oferecer um estímulo a mais mas por lei ele não é obrigado.

4 Remédios da natureza para fortalecer os cabelos

Cabelos saudáveis são fortes. Possuem mais brilho, caem menos, são muito mais sedosos e até mais fáceis de pentear. Mas antes de correr para uma loja de produtos de beleza para comprar produtos com esta finalidade saiba que há boas dicas naturais para fortalecer os cabelos em casa. Confira a seguir boas dicas e fáceis de achar no mercado.

Dicas de remédios caseiros para fortalecer os cabelos

É comum buscar na indústria de cosméticos produtos para deixar os cabelos mais fortes e bonitos. Mas talvez você tenha bons itens na sua dispensa para solucionar o problema e não saiba. Nos alimentos encontramos sempre bons produtos para nutrir sem agredir e gastando menos. São boas dicas para aplicar nos fios:

Ovo

Rico em proteínas para uma dieta saudável, o ovo cru pode ser aplicado diretamente no cabelo para uma hidratação.  É uma fonte natural de vitaminas E e D, grandes responsáveis por deixar os fios mais fortes evitar a queda ou quebra (fios partidos em seu comprimento).

A aplicação pode ser quinzenal e feita em casa. Basta bater um ovo cru em um prato e aplicar na raiz capilar com ajuda de um pincel para tintura de cabelo. Aguarde por 15 minutos e lave em seguida normalmente com seu shampoo e condicionador.

Mel de abelha

O mel natural(e não a sacarose ingerir em supermercados) é uma grande fonte de nutrientes para ajudar a quem possui cabelos fracos. Também pode selecionar o problema de brilho, maciez e fios secos.

A aplicação  do mel de abelha também pode ser feita em casa diretamente em todo o cabelo. Aguarde entre 15 e 20 e depois lave normalmente com shampoo de sua preferência.

Azeite de oliva

Ingredientes tradicional da cozinha brasileira,  o azeite de oliva é um velho conhecido da hidratação capilar.  Ajuda a repor nutrientes perdidos ao longo dos dias com ações externas como poluição e sol e também a fortalecer os fios.

Pode aplicar com ajuda de um pincel em todo comprimento do cabelo e deixar agir por entre 15 e 20 minutos. Depois é só lavar bem para tirar o excesso de oleosidade esperar os resultados na frente do espelho.

Colágeno

Com tanta mídia em cima do nutriente com certeza você já ouviu falar.  O colágeno é bom para a pele e grande responsável por eliminar os sinais da idade. Na fibra capilar ele age como regenerador do brilho e ajuda no crescimento saudável e com força.

A melhor notícia que você não precisa buscar  no mercado suplemento para aplicar diretamente no cabelo. A ingestão de alimentos ricos em colágeno já vai ajudar na nutrição capilar diariamente, além de melhorar o tônus da pele.

São alimentos ricos em colágeno as carnes vermelhas, os peixes (mais ainda o salmão), gelatina, ovos, frutas cítricas, frutas vermelhas, dentre outros.

Uma sugestão igualmente válida para hidratar os cabelos é aplicar uma cápsula gelatinosa durante a sua hidratação semanal. Basta apenas uma para curtir o efeito sem deixar os fios oleosos. Uma aplicação semanal é o suficiente com lavagem logo após.